O seu website oferece uma boa experiência para os estudantes?

O seu website oferece uma boa experiência para os estudantes?

User Experience, ou UX, é a experiência do consumidor ao usar seu produto ou serviço. O UX tem um papel tão importante hoje que mesmo profissionais de marketing precisam entender um pouco disso. Isso porque o UX trabalha com questões funcionais e práticas, mas também com todo o lado emocional da experiência. E convenhamos, não tem nada mais emocional do que procurar por um intercâmbio na internet, concordam?

Algumas agências de intercâmbio começam a entrar em desespero em épocas de ´vacas magras´, mas esquecem de fazer perguntas simples, como: Quem é seu consumidor? O que ele quer? Ele conseguiu? Ele navegou com facilidade? A experiência foi prazerosa? Ele usaria seu produto ou serviço novamente?

Antes, todo mundo fazia sites para um usuário que estava sentado, na frente do computador, com uma tela grande, um teclado e um mouse. Quando você despluga o usuário da frente do computador, o contexto passa a ser essencial. Ele está no supermercado com duas crianças puxando a barra da calça? No carro, dirigindo, e nem deveria estar digitando? Na balada conversando com amigos? Ou está no sofá da sala, vendo TV, navegando e fazendo buscas ao mesmo tempo?

O UX pode muitas vezes ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um projeto.

No mobile, você também precisa considerar toda uma série de tecnologias que podem te ajudar a trazer uma experiência melhor, como geolocalização, bluetooth, acelerômetro, câmera e notificações. É justamente ali no bate papo com amigos que as indicações acontecem e nós sabemos que indicações convertem em venda, se, mas somente se, essa pessoa tiver uma boa experiência também.

Mais do que tecnologia, entender o contexto é a chave para criar boas experiências. Afinal, você agora pode ser relevante dentro do contexto em que o consumidor está. Imagine um site de uma Agência de Intercâmbio com várias franquias. Quando você acessa de casa, você provavelmente quer fazer uma busca de todos os cursos que essa agência oferece, antes de encontrar uma filial mais perto de você, o telefone ou o horário de funcionamento daquela loja. Mas se você está em um carro em movimento, você provavelmente está procurando o mapa de como chegar lá ou o telefone do lugar… E descobre que o site está em Flash. Ou que você tem que preencher 2 vezes o mesmo formulário de cadastro sem qualquer motivo. Pronto, foi o suficiente para desistir e mudar o seu ´destino´, literalmente.

Então é essencial que o seu site mobile esteja otimizado para mobile. Isso significa, entre outras coisas, que ele precisa carregar muito rápido. A Amazon, por exemplo, percebeu que, a cada décimo de segundo que uma página demora pra carregar no celular, as vendas caem 1%.

O UX pode muitas vezes ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um projeto. Afinal, os consumidores vão preferir comprar produtos da Agência de Intercêmbio que tiveram uma experiência melhor, vão preferir os aplicativos que não deixam ele esperando, que resolvem o que ele precisa, que entendem seu contexto e simplificam a experiência e não pedem para ele preencher 2 vezes o mesmo formulário sem necessidade. A concorrência está sempre a poucos toques de distância.

Para ajudar a criar a melhor experiência mobile possível, o Google fez uma intensa pesquisa com consumidores para descobrir as melhores práticas de UX em mobile, e chegaram a uma lista de 25 princípios de design de sites mobile que ajudam as empresas a criar sites que encantam os consumidores e aceleram as conversões.

25 Princípios

No mobile, os consumidores tendem a focar em objetivos e resultados, esperam conseguir o que precisam de um site de forma fácil, imediata e do jeito deles. Você pode aumentar suas chances de sucesso levando em conta o contexto e as necessidades do consumidor, sem sacrificar a riqueza de conteúdo.

Os 25 princípios estão divididos em 6 blocos: Página Inicial e Navegação; Campo de Busca e Resultados; Compras, Cadastro e Mobilidade; Formulário de Entrada; Usabilidade e Visual.

Esses princípios te ajudam a testar se o seu site está adequado para esse novo contexto de uso e otimizado para gerar o máximo de resultados de negócio.

Aqui vão algumas dicas que vão ajudar bastante:

– Destaque seu Call-to-Action de maneira clara para seus consumidores. Qual é o principal objetivo de interação entre os consumidores e sua Agência que você quer destacar? A home do site mobile deve conectar os usuários ao conteúdo que estão buscando.

– Cuidado com as promoções. Não deixe elas dominarem sua página inteira, comprometendo a navegação.

– Buscas são fundamentais para que o usuário encontre o que procura, mesmo com pressa. Use campos de pesquisa bem visíveis e com resultados relevantes. Coloque filtros nas buscas.

– Não obrigue seu consumidor a um cadastro complexo antes de realizar uma compra. Isso pode afastar o cliente. A experiência de conversão do seu usuário deve ser a mais simples possível.

– Crie formulários eficientes, que melhoram suas chances de conversão ao reduzir a fricção, frustração e redundância. Quanto mais você facilitar, melhor, seja pré-populando campos, evitando repetições e pedindo o mínimo necessário.

– Facilite a conversão em outro device. Isso inclui enviar produtos por e-mail, compartilhar pelas redes sociais e, claro, poder salvar no carrinho e encontrar em outro aparelho.

– Teste seu site. Parece óbvio, mas muitas empresas não testam: o site mobile precisa funcionar em todos os dispositivos e navegadores disponíveis, celulares e tablets, com telas de tamanhos diferentes. Por isso, a etapa de testes é tão importante – e os testes precisam ser refeitos de tempos em tempos.

Você sabia que a Ally oferece uma API para integração com o website da sua Agência? Pois é, você pode disponibilizar todos os produtos do seu inventário totalmente online! Entre em contato e saiba mais.