COVID-19: Cenários da Educação Internacional

COVID-19: Cenários da Educação Internacional

A palavra para descrever o cenário atual é incerteza. Mesmo várias previsões de diferentes cenários não são capazes de revelar com exatidão os impactos do COVID-19 para a Educação Internacional, uma vez que as principais variáveis são o tempo de duração da quarentena e as medidas políticas que os países irão assumir, individualmente.

Nesta hora aparecem perguntas como:

  • Quando as restrições de viagem e outras medidas de saúde pública serão flexíveis?
  • Como o momento e o impacto da pandemia variarão entre os principais destinos e os principais mercados emissores?
  • Com que rapidez a economia global pode se recuperar das quedas vertiginosas já registradas neste ano?

Independente da resposta para estas perguntas, os efeitos projetados já estão sendo medidos em dezenas de bilhões de dólares para os principais destinos de estudo do mundo.

 

Irlanda

 

Todas as instituições de ensino superior (incluindo escolas de inglês) permanecerão fechadas para os alunos até pelo menos 5 de maio. Os alunos são aconselhados a evitar todas as viagens não essenciais e sair de casa apenas para atividades extremamente necessárias.

Todos os estudantes internacionais cujos vistos expirarem entre 20 de março de 2020 e 20 de maio de 2020 terão sua permissão de visto renovada automaticamente neste período e os que perderam o emprego como resultado do COVID19 poderão solicitar auxílios do governo, será necessário verificar se são elegíveis para o Pandemic Unemployment Payment ou Exceptional Needs Payment.

Informações mais completas a respeito das recomendações para estudantes podem ser encontradas neste link do ICOS (Irish Council for International Students).

 

Nova Zelândia

 

A Nova Zelândia passará do Nível de alerta 4 para o Nível de alerta 3 às 23h59 da segunda-feira 27 de abril e permanecerá no Nível de alerta 3 por duas semanas, até segunda-feira 11 de maio. Em 11 de maio, o Primeiro Ministro e os Ministros do Governo revisarão os níveis de alerta e tomarão novas decisões no nível de alerta nacional.

Quem estiver hospedado na Nova Zelândia, deverá verificar a data de validade do seu visto atual. Os viajantes com um visto temporário (trabalho, estudante, visitante, provisório e limitado) com vencimento antes de 2 de abril de 2020 que não puderem sair da Nova Zelândia devem solicitar on-line um novo visto. 

Os estudantes internacionais na Nova Zelândia com vistos que expiram entre 2 de abril e 9 de julho de 2020 terão seus vistos automaticamente estendidos para 25 de setembro de 2020 sem custo adicional.

O governo da Nova Zelândia tem um subsídio salarial disponível para apoiar os empregadores e seus funcionários afetados pelo COVID-19. 

Os estudantes internacionais cujo visto lhes permite trabalhar na Nova Zelândia e cujo emprego foi afetado pelo COVID-19 são aconselhados a verificar com seu empregador se são elegíveis para um subsídio salarial.

Informações mais completas a respeito podem ser encontradas neste link.

 

Estados Unidos

 

Os Estados Unidos  anunciaram em março um pacote de ajuda de emergência de US$ 2 trilhões passado que inclui US$ 14 bilhões destinados ao ensino superior. O Conselho Americano de Educação (ACE) declarou que é um montante “lamentavelmente inadequado” e está pedindo ao Congresso que reserve outros US $ 47 bilhões em ajuda de emergência que “seriam igualmente divididos entre estudantes e instituições” e que poderiam “pelo menos parcialmente mitigar o dano causado por esta pandemia. ”

 

Reino Unido

 

Em 10 de abril, a Universities UK propôs um pacote abrangente de medidas de socorro para as universidades britânicas. O órgão máximo do ensino superior estima que o impacto financeiro da pandemia já atingiu £ 790 milhões para as instituições do país. No total, a proposta do Reino Unido exige bilhões de libras em financiamento de ajuda e uma variedade de medidas políticas destinadas a diminuir os impactos da pandemia que inclui, principalmente, uma maior flexibilidade no sistema de aprovação de vistos.

 

Austrália

 

No início deste mês, o governo australiano anunciou um pacote de emergência para as universidades do país, que inclui financiamento para novos cursos de reciclagem curtos, projetados para ajudar a requalificar os australianos desempregados, uma garantia de financiamento de US $ 18 bilhões para matrículas domésticas (independentemente do número real de alunos) e outros US $ 100 milhões em benefícios e diferimentos de taxas regulatórias.

Entretanto, Peak Body Universities Australia, alertou que o pacote não será suficiente para cobrir uma perda de receita projetada entre AUS$ 3 bilhões e AUS$ 4.6 bilhões que o setor está enfrentando este ano.

 

Canadá

 

No Canadá, o governo deu um passo para permitir mais flexibilidade para os estudantes que planejavam vir ao Canadá nesta primavera para iniciar seus programas on-line, mas ainda não houve uma determinação sobre como essa abordagem pode ser aplicada no início do outono.

Enquanto isso, funcionários do governo e das universidades estão tentando prever o impacto do COVID-19 nas matrículas internacionais para o próximo ano acadêmico. Os gastos combinados com aulas para estudantes estrangeiros nas universidades canadenses foram de aproximadamente CAD$ 6 bilhões em 2019, e as instituições agora estão planejando ativamente uma variedade de cenários.

 

Impactos para a Educação Internacional

 

Este é o cenário colocado por um relatório da Moody´s Investors Services publicado dia 7 de Abril. Em contraponto, uma outra pesquisa realizada pela educations.com (uma plataforma direcionada para busca de cursos de educação superior ao redor do mundo) entre 16 e 20 de Março, com 2500 respostas revela que ainda podemos ter esperança de dias melhores.

De acordo com a pesquisa, apenas 4,7% dos futuros estudantes pretendem cancelar seus planos de estudos no exterior à luz do COVID-19. Além disso, 44% dos futuros alunos estariam interessados ​​em estudar seu programa virtualmente como uma alternativa à luz do COVID-19.

É inevitável que os planos e experiências dos alunos no exterior sejam interrompidos pelo surto do COVID-19. No entanto, oportunidades viáveis ​​de estudar no exterior, como aprendizado on-line e suporte no planejamento de estudar no exterior estimulam a perseverança dos estudantes internacionais em realizar seus sonhos.

Estudar no exterior continua no topo da lista de muitos alunos, o COVID-19 apenas complicou a questão de quando e como eles farão isso acontecer.

Neste cenário, é imperativo que agências, estudantes e instituições de ensino se adaptem as mudanças, aproveitem este momento para uma reestruturação interna de processos (no caso de agências e escolas), alterem o planejamento financeiro e tenham criatividade para explorar novas maneiras de trabalhar neste cenário.

Nós da Ally somos grandes entusiastas da educação internacional, sabemos que o momento é difícil, mas passaremos por isso juntos. Qualquer informação ou suporte que sua agência ou escola possa precisar, entre em contato conosco. É sempre um prazer contribuir para o encorajamento de pessoas buscarem seus sonhos através da educação.